Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Opinião do Diretor-Presidente > Resultado além da economia
Início do conteúdo da página

Resultado além da economia

Publicado: Sexta, 14 de Fevereiro de 2020, 12h14

Marcelo Buz*

Segundo a Carta de Conjuntura nº 45 (4º trimestre de 2019) editada pelo Instituto de Pesquisas Econômicas - IPEA que trata do cenário brasileiro o crescimento da economia no terceiro trimestre do ano passado surpreendeu a maioria das previsões. O consumo das famílias foi o fator que determinou essa aceleração e o investimento se manteve em expansão.

Conforme a publicação, datada de dezembro, a previsão da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas-Dimac/Ipea é de que o “crescimento no 4º trimestre seja de 0,4% ante o trimestre anterior e de 1,5% ante o 4º trimestre de 2018. A indicação da Dimac é de que o crescimento do PIB para 2020 seja de 2,3%.

O Produto Interno Bruto (PIB), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, geralmente em um ano. Os países calculam seu PIB nas suas respectivas moedas. Segundo o IBGE, O PIB do Brasil em 2018, por exemplo, foi de R$ 6,9 trilhões. No último trimestre divulgado (3º trimestre de 2019), o valor foi de R$ 1 842,1 bilhões.

O resultado positivo, segundo o documento, é consequência da confiança dos agentes econômicos e a expectativa favorável diante de medidas econômicas em implantação. De acordo com Nota informativa publicada pelo Ministério da Economia, a retomada da atividade econômica tem sido impulsionada principalmente pelo setor privado; evolução que tem sido observada desde o 2º trimestre de 2019.

O ano de 2019 também foi especial para o setor de certificação digital. Ao longo dos dez primeiros meses do ano passado foram emitidos 4,6 milhões de certificados digitais, o que faz de 2019 o melhor ano da história da ICP-Brasil. Em 10 meses 2019 havia superado 2018, que detinha o recorde até então, com 4,4 milhões de certificados. No quadro comparativo mensal das emissões de certificados, apresentado no link ITI em Números, é possível observar que no ano passado foi registrado o melhor desempenho em praticamente todos os meses em comparação com 2018.

E 2020 já começa aquecido e o setor de certificação digital caminha para um crescimento ainda maior, com projeção de emissão de mais 6,3 milhões de certificados, ou seja, incremento em 15%. É a primeira vez que são emitidos mais de 500 mil certificados digitais no mês de janeiro ao longo dos seus 18 anos. O crescimento da ICP-Brasil foi de 17% em relação a janeiro de 2019 e os números seguem a tendência do ano passado com o aumento expressivo de emissões mensalmente. Este ano, já foram credenciadas em todo o Brasil 36 Autoridades de Registro (ARs).

Hoje são 8,9 milhões de certificados digitais ativos no País e 1.586 autoridades de registro.

Eu atribuo esse bom desempenho a três fatores fundamentais: o primeiro foi a edição das novas resoluções editadas pelo Comitê Gestor em 2019 que criaram um ambiente mais ágil para o processo de emissão - e o início da queda no preço do certificado digital - , o segundo devido ao esforço de comunicação por parte do ITI para promover e explicar a importância do certificado digital e o terceiro o reaquecimento da economia nacional, com a abertura de empresas e de novos negócios.

Esse contexto torna a ICP-Brasil a maior infraestrutura de chaves públicas do mundo, tanto em quantidade de certificados ativos, quanto em quantidade de emitidos e também em número de autoridades de registro e ACs.


* Marcelo Buz – diretor-presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação – ITI, secretário-executivo do Comitê Gestor da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – CG ICP-Brasil e membro do Comitê Interministerial para a Transformação Digital – CITDigital e do Comitê Central de Governança de Dados

Fim do conteúdo da página