Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Lei de acesso à Informação > Notícias > ITI na mídia > Judiciário no Mato Grosso do Sul vai instalar 350 certificados digitais
Início do conteúdo da página

Judiciário no Mato Grosso do Sul vai instalar 350 certificados digitais

Publicado: Terça, 14 de Agosto de 2012, 20h27 | Última atualização em Terça, 31 de Outubro de 2017, 10h54 | Acessos: 157

21.01.2008 | TI INSIDE | Editoria: News | Assunto: Certificação digital / ICP-BrasilO Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul vai adquirir, até o mês que vem, 350 certificados digitais no âmbito da Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), para serem distribuídos entre os magistrados, escrivães e diretores. O objetivo é integrar-se ao Infojud, sistema em que os juízes têm acesso a dados cadastrais de pessoas físicas e jurídicas na Receita Federal. O Infojud permite apenas que o processo de solicitação seja feito via Internet, dispensando o uso de ofícios em papel.Segundo o diretor do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas e Internet (DDSI), Alexandre Camy, o tribunal de justiça do estado pretende investir, cada vez mais, na área da segurança da informação. Segundo ele, não existe mais a versão impressa do Diário da Justiça, o que é somente encontrado na forma eletrônica. Para isso, certificados digitais já foram disponibilizados para a Seção de Diagramação, responsável pela confecção final do Diário da Justiça e desenvolvimento da assinatura digital.Camy explica que ao abrir o Diário da Justiça, a pessoa vai verificar que aquele documento está assinado e sem alteração. “Caso alguém, em uma tentativa de fraude, consiga modificar alguma informação no referido documento, a própria ferramenta de visualização informará ao usuário que o documento sofreu alteração e que, portanto, não se trata mais de um documento original.”De acordo com ele, o Diário da Justiça é apenas o primeiro trabalhado com certificação digital dentro do tribunal. “A idéia é de gradativamente acabar com o papel no Poder Judiciário, como a conta única, por exemplo, em que o juiz emite um alvará para liberação de verbas. Tudo que circula em papel pode fazer de forma digital”, destaca Camy. O benefício, segundo ele, é a certeza de que aquele documento foi assinado pelo autor e que não foi alterado, além da agilidade do trabalho e da economia. Da Redação

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página